e continua a viagem


                              
 é um não querer mais que bem querer,
é solitário andar por entre a gente
é um não contentar-se de contente
é cuidar que se ganha em se perder"
 estou acordado e todos dormem, todos dormem...



delicado momento de atravessar o deserto

coragem
mesmo olhando e nada vendo
ter a absoluta certeza de que é preciso atravessar

ficar parada no meio do deserto não é nada bom...

silêncio, imensidão,
sede
entre dunas o que virá?

neste deserto interior
buscar a fonte escondida
a surpresa embaixo da sombra de uma palmeira

o céu estrelado, a fogueira noturna
e o caminhar (in) finito

o impensável
o ardido

solidão tranquila equilibrando a mente 
olhar pro abismo e vê-lo olhando de volta

não temer, não voltar
pois em tempos de travessia, fatalmente não chegarei a mesma do outro lado

sem dor, sem sofrimento eu penso, que bom!
é chegada a hora de mudar

tocar no imponderável
fazer o corpo tremer
sentir a adrenalina
o tesão
a energia da vida novamente

percebo em tempo que estou apenas na metada
admito agora, que é realmente um deserto
e que só saio dele, caminhando por ele.

pé na areia, vamos lá.


















Nenhum comentário: