Elvis Presley - Suspicious Minds



e não importa muito o que se fale deles... loucos, insanos, talentos desperdiçados, gênios... agora, nada disso importa.
ídolos são ídolos.

Viva a minha, a nossa casa, que nunca para arrumada

Casa arrumada é assim:
Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa
entrada de luz.

Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um
cenário de novela.
Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os
móveis, afofando as almofadas…
Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo:
Aqui tem vida…

Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras
e os enfeites brincam de trocar de lugar.
Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições
fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha.

Sofá sem mancha?
Tapete sem fio puxado?
Mesa sem marca de copo?
Tá na cara que é casa sem festa.
E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.

Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde.
Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante,
passaporte e vela de aniversário, tudo junto…

Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda.
A que está sempre pronta pros amigos, filhos…
Netos, pros vizinhos…
E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca
ou namora a qualquer hora do dia.

Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.
Arrume a sua casa todos os dias…
Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela…
E reconhecer nela o seu lugar.

Carlos Drummond de Andrade


#bolerão

Sai toda meiga hoje: bicicleta toda trabalhada no vemelho espanhol, cestinha de palha fofa que touxe lá da gringolândia, legging, sapatilha de bailarina, lencinho nó de lado no pescoço, feriado na cidade (47 anos, praticamente uma menina essa tal Balneário Camboriu)

Pelas ruas da cidade... passo lá, trava na bike. Passo cá, trava na bike. 
Eis que passo no shopping de BC  4 pila estacionamento de bike? como assim?!
pagar por não poluir? por não causar trânsito na cidade? por ocupar zero de espaço no estacionamento, ó #achomuitoindigno 


Ainda no mesmo shopping um frasco pequeno de oxigenada marcaqualquer 5 pila, coisa mais maluca.
Segui pedalando e pensando, não são coisas que me irritam, que me deixam nervosa, nem desesperada, pior que isso: eu vou ficando INDIGNADA. Pra me situar, na volta pra casa passei na pharmacia ao lado de casa, e surpresa 0.98 centavos a mesma oxigenada! 



****(nota mental) evitar o esse shopping é uma meta, mesmo pq. só ficar indignada não resolve nada né? o negócio é não engolir sapo!!!

tudo novo de novo

folheando a revista vi essa reportagem e logo sai toda animada pra fazer a reforma da velha cadeira-preta-com-estofado-duro-e-cara-de-escritório que ficava meia hora na oficina dele meia hora na minha
como não fiz a foto do antes vou colocando o durante e o depois, e já dizendo que é bacana reformar, trocar o tecido, botar cor nova na cadeira velhusca.

essa foto é da revista, a minha cadeira era parecida mas sem as rodinhas.


a minha era mais ou menos essa aqui ó

só que feioza, as pernas perderam a cor preta a uns 10 anos, espuma do assento? ixiiii... o couro já tinha ido pras cucuias fazia é tempo, enfins... 


e agora, tá nova de novo :-)





e ai, animou? dá uma olhada em volta, tem sempre alguma coisa querendo cor.


enfim, terminei. tudo prontinho pra usar :-)

fio solto

"...tanto para o bem quanto para o mal? hummm...eu não levo essas coisas de bem e mal muito a sério.
eu descobri que tenho que ser coerente com o que eu faço e tenho que sentir orgulho daquilo que eu faço, e o que faço, eu faço só para agradar a quem eu amo. 

é, egoísta sim, cara. 
só que eu acho que se eu agrado aquelas pessoas que eu amo tanto, existe uma possibilidade disso se propagar e tocar outras pessoas que eu nem conheço."

passeando na madrugada...

"um pano da loiça dobrado, 
gerir tantas panelas ao lume...
arrefecesse
                     cozer em forno médio"





até os olhos cansar, folhear livros de costura, receitas de bolos, revistas de decoração, paisagismo... por portugal, frança, japão, londres, índia...

querido diário

Pelos lugares por onde andei nestes ultimos dias não me deixaram acessa-lo, pensando bem, melhor assim, em poucas palavras tudo também flui.

Querido diário, deixei meu olhar passear, o tato, o alfato, soltos por ai. Pensar, pensei pouco. Para julgar, nada havia. 
Naveguei suavemente curtindo outro sol, outro solo.

Dias intensos; curiosos e divertidos com um toque de pimenta em tudo, dias de viver bem de carinhosamente acalentar o outro e de se deixar acalentar.

Sutilezas, diversidades, amorisadade e alegria de estar vivendo aqui e agora, sem muito rodeio, sem frescura, viajando por ai.