novelo que rola


saudades,


...por onde mesmo começar? hummmm...
te dizendo que a mandala girou novamente e mesmo sabendo que isso pode acontecer em determinados tempos eu ainda não me  acostumei, e você já?


o mesmo frio na barriga, aquela mesma sensação esquisita de saber que a roda gira e tudo em torno também, aquele misto de surpresa e enjôo
mesmo sabendo de todos os sintomas e até vezenquando buscando que essas mudanças aconteçam, eu fico zuada.

gosto da viagem sabe? mas ainda me assusto com o percurso.
queria mesmo você por aqui neste momento.

eu como sempre só querendo salvar minha vida, sem pedir nada, sem querer nada, sem roteiro fixo, apenas querendo viver a minha vida. mas daí tem essa coisa, essa coisa de ideal, de fé, de ser perseverante, diacho! não há descanso pra quem encara a vida real!? 

um gole de vodca.

sei dolorosamente claramente que meus caminhos internos e externos são todos assim bem próximo ao abismo, sei e aceito. 

mas se fosse possível, se desse pra tudo isso de vez em quando acontecer bem a sombra da quaresmeira... entre uma pausa pro descanso e a sua mão na minha.

3 comentários:

Vanessa Maurer disse...

A Verinha amada... eu literalmente viajo nas tuas palavras... vou até lá, ali, aqui e acolá... e volto depois de ter absorvido o melhor... muitos beijos

Patrícia disse...

Vera... venha colocar a mão no barro!!!
bjs

Karina. disse...

Tudo gira!

Adoro essa mandala.
bj