A teia da lã merino


Bem, até o fio chegar aqui na roça foram muitos emails, e bate-papo virtuais, e dicas e...
então a caixa com a encomenda chega em casa!
A hora de pegar este fio na mão foi chegando de mansinho, eu queria sentir a maciez a história, o calor do fio em minhas mãos, e o que fazer? tear!? por mais óbvio que pareça a resposta foi: não, ainda. No tear vai ficar lindo mas eu queria pegar o fio na mão, sentir a textura, o fio cru, sem pigmentação, e no tear eles iriam logo para as navetes. Mas, uma tecelã só podia tecer, certo? certo.

Foi ai que eu lembrei do meu tear circular, ou knit loom e assim, eu teria o fio na mão e estaria tecendo ao mesmo tempo. Claro que antes eu ainda fiz um pequeno teste no tricô para sentir a maciez do fio escorregando na agulha, mas como tecer é lei por aqui, vou terminar esta peça, que será uma gola solta e depois vou fazer um teste no tear de alto liço.

Mas a real intenção de comprar este fio, foi mesmo a de fazer uma ponte entre meu trabalho como tecelã e a economia solidária/ sustentabilidade familiar e social, praticar o comércio justo e solidário, que é uma forma de produção, consumo e distribuição de riqueza (economia) centrada na valorização do ser humano e não do capital, não só do capital!  é claro que eu pretendo vender as peças que crio, e claro que o meu produtor também, mas sem explorar ninguém, sem querer levar vantagem, sem destruir o meio ambiente.

Bom eu ficaria aqui neste papo tardes a fora, falando do meu desenvolvimento, do valor justo, da trama justa e etc...mas o tempo "avonça", fica aqui um bocadinho do papo que eu e a Andréia trocamos virtualmente...

 "Oii Vera, só para complementar nosso assunto a nossa fazenda esta localizada na reserva ambiental APA do Ibirapuita.Na fazenda o lixo e recolhido e carregado para cidade para container apropriados e,as embalagens são lavadas e devolvidas nas veterinarias( medicacão bovina e ovina) e o tratamento quem faz é meu esposo e um funcionario, "quando encontramos alguém que goste", porque trabalhar com ovelha não cabe a vagabundo,rsrs ( eu adorei essa parte) caso contrário reúne-se a familia e todos auxiliam como podem.Claro que a "Esquila e Comparsa" grupo de homens que realizam este trabalho. Na outra semana terei fotos e te enviarei.Abracos Andrea-espero que com estas dicas agregue mais conhecimento sobre a nossa la.ok...."

(Andréia, se tu não enviar essas fotos eu vou até a La Roca hein? :)



e um pouco do que as meninas do super ziper trocaram com ela:

 "...Ela conta que, juntamente com o marido, cria 2.000 ovelhas das quais 400 carneiros merino australiano. " O processo é o seguinte: retiramos a lã das ovelhas, selecionamos e mandamos para o lanifício onde é lavada, penteada e fiada. A lã merino é difícil de encontrar no Brasil porque os lanifícios exportam toda a produção para Europa e Estados Unidos. Os fios são feitos na roca de pedal, um trabalho 100% manual feito por um grupo de fiadeiras de Rosário do Sul e Porto Alegre. "  via super ziper
O quilo dos fios custa R$ 90,00 e os novelos de 100g saem em média R$ 9,00 /cada.
O quilo da mecha de fibra para fiar (antes de virar fio) sai R$ 50,00. (consulte antes ok?)

Se alguém tiver interesse no merino da Andrea o email para contato é andreairion@hotmail.com  - La Roca Fios Artesanais de Rosário do Sul-RS
 

* Lã (Wool): É a tradicional lã de carneiro, que pode ser de diferentes raças. A Merino, por exemplo, é uma raça de carneiro nobre, que oferece uma fibra super fina, térmica e macia. Um ponto negativo é que as peças de Merino têm uma certa tendência formar bolinhas com o atrito. Mesmo assim recomendo, eu tenho um suéter de merino que adoro pois é muito macio e confortável de usar. (trecho de pesquisa do super ziper)


"Obrigadas meninas do super ziper! sempre postando ideias novas, pruma véia como eu :) "







5 comentários:

Anônimo disse...

Eu não sei fiar nada!!!Só o fio das palavras e dos sentimentos...mas amei o trabalho desse pessoal,dá uma alegria saber que tem tanta gente nesse Brasil fazendo e fazendo BEM.
Parabéns,Véia procê e todo esse povo.
Bjs
Simone Bello

Pedro Valadares disse...

Primeiramente, parabéns por divulgar e promover o comércio justo!

No blog Mercado ao seu Alcance, da Unidade de Acesso a Mercados do Sebrae, temos mais conteúdo sobre comércio justo!

Visite-nos! Sua visita será muito bem vinda!

Pedro Valadares disse...

Ah, o endereço do blo Mercado ao seu Alcance é http://mercadaoseualcance.wordpress.com

Aguardamos sua visita!

Vanessa Biali disse...

Oi, Vera!
Essa lã é maravilhosa... Acabei de comprar da Andrea.
Pretendo tricotar peças pequenas: meias, cachecol ou gorro...
Vale a pena divulgar o trabalho dela!
Beijos,
Vanessa

Mariana Cabral disse...

Boa noite Vera, estudo moda em Santa Catarina e estou tenatndo entrar em contato com a "La Roca Fios Artesanais de Rosário do Sul-RS" através do email que você colocou aqui. Mas não recebi resposta.
Tenho um projeto de fazer o desfile de formatura do meu curso com peças feitas em feltro, mas estou preocupada pois sei que é difícil conseguir a lã aqui no Brasil.
Você sabe o telefone da Andrea para eu entrar em contato? Ou se o email mudou?
Muito obrigada. Abraços, Mariana Cabral
contato: maricabral@gmail.com