E se rir apanha de novo!


...palavras de meu pai
E eu apanhava! pq riso é uma coisa que eu nunca consegui conter.
força na peruca!

Vai minha filha!

- e não chora, chorar é pior!

quando ouvia isso da minha mãe eu tinha ganas de raiva, ficava aquele nó na garganta, aquela dor quase insuportável no peito, aquela vontade de ficar sentindo dó de mim mesma e aquelas lágrimas todas trancadas em algum lugar...
agora eu aceito, e até ouço minha mãe atrás de mim de novo;

- não chora, que chorar é pior!

o mistério das cousas

Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz
E por isso não erra e é comum e boa.
...
Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.
Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez, para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes
E luar e sol e flores,
É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.
E por isso eu obedeço-lhe,
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?),
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê,
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora.
fernando pessoa

filmes da semana

Burn After Reaading - Queime depois de ler
A voz da igualdade - Milke

a poesia das coisas

a nova oficina de tear passa pela praia pelo rio pelo campo e quase pula a janela

o barco a bicicleta e uma estrada


...tô aprendendo a vírgula, e com ela os momentos de pausa,
o quero mais não quero também tem seus momentos por aqui. A incerteza passa e me pega tentando arrumando gavetas de meia, dar ordem ao dia, e em cones de fio que me desafiam!

- todos amarelos juntos, todos azuis pra cima, vermelhos prum lado, liláses, rosas e violetas pro outro canto e juntos! ah, mas essa ordem dura tão pouco, é que eles na bagunça do dia-a-dia se juntam novamente e se enroscam e riem de mim (num é assim a própria vida?).


É o tempo de uma pausa só, dessas de ouvir uma música de olhos fechados e da casa silênciosa, do copo de vinho que retarda o momento das decisões não tomadas e acumuladas, tempo que me acorda na madrugada, me despertanto pro próximo salto, é o tempo sobre o que eu sou e o que aparento ser...
é tempo de dar tempo ao tempo, é também sobre o barco a bicicleta e uma estrada que pararam no meio do caminho.





o mundo as pessoas e as coisas

praia estaleirinho
morro do careca

morro do careca olhando para balneário camboriu




depois de queimar a mufa, na sexta feira e no sábado, 16 horas tentanto fazer um contato de primeiro grau com a tabela periódica, aquela que me foi apresentada por volta dos 11 ou 12 anos, na quinta série, afins de entender meu corpo/matéria energeticamente quimicamente quânticamente análogicamente falando, encarei o bicho papão que tirava meu sono naquela época, e claro que pirei de novo, claro que a batatinha queimou, e mais, descobri que meus hormônios e células estão dançando tango, enquanto tem uma banda onde cada músico toca uma batida completamente diferente e ao mesmo tempo: pagode, samba, clássico, rock, tudojunto e em completa desarmonia, e descobri também que vou ter que ralar muito pra fazer essa banda tocar mesmo ritmo e bem.


...depois de me encarar microscópicamente, depois de confirmar o que já supunha, que minhas células são mais inteligentes que minha mente e enfins entender (ou quase) o que meu corpo precisa, e prometer que vou olhar pra ele com mais carinho e etc e tals, depois disso eu me joguei na vida, pq num tem coisa melhor pra mente e pro corpo que ser feliz, tem? eu falo de felicidade assim...dessas de fazer nada, gratuita, de rever velhos amigos de se embrenhar no mato, de se jogar da montanha ou numa multidão de gente apenas com a única finalidade, diversão!

....

manhã sobe morro desce morro ( não eu não me joguei, só fiz as fotos, mas tô pensando...)
final de tarde do domingo na praia de estaleirinho festa-vip-pulseirinha-no-braço, tomando champagne ao som de djs mandando o tunts tum já famoso e um monte de gente tudo misturado e igual.


... e a noite termina com chocolate e um filme com Sean Penn, em boa companhia que pra mim é tudo.

Ou seja, láaaaaaaaa de cima ou no microscópio, todo mundo é igual, mas a um passo de distância... bem, eu preciso de mais uma dose ou mais um barra de chocolate.

à espera



do bolo esfriar
da água do chuveiro esquentar
do sol sair
da chuva parar
da hora de
ir

do email entrar
do dinheiro cair
da fome saciar
da orquídea florir
da maré baixar
do pneu encher
do
sinal abrir

do desejo provocar

e
enquanto esperando
vou indo
tem gente que enquanto espera, vive.

gente legal, essa.










diário de bordo

08:00 - caminhada com froide
09:00 - preguiça risada e café
09:30 - banho sabonete creme secador
10:00 - agenda, emails de massagem, de craft, de amigos, de sacanagem...
11:00 - engatar a primeira
12:00 - porto belo pausa no píer, perequê, meia-praia, pausa em itapema
12:30 - banco espera
13:00 - fome mac
14:00 - correio
14:30 - porto belo aula risada cansaço
18:00 - começando tudo de novo, agora suave...

0:00'00"

minha bíblia






Invejo é a instrução que o senhor tem.Eu queria decifrar as coisas que são importantes. E estou contando não é uma vida de sertanejo, seja se for jagunço, mas a vertente, queria entender do medo e da coragem, e da gã que empurra a gente para fazer tantos atos, dar o corpo ao suceder. O que induz para más ações estranhas, é que a gente está pertinho do que é nosso, por direito, e não sabe, não sabe!

Riobaldo - Grandes Sertões Veredas (Rosa)

Reggae da Tainha





“Sereia manezinha”
(Letra: Júlio César Cruz / Música: Gazu e Luiz Maia)

Eu quero você na minha
Minha sereia manezinha
Vou te fisgar na minha linha
Enquanto isso eu cantando
O Reggae da Tainha

Eu quero beijar a sardinha do teu rosto
E me perder nas curvinas do teu corpo
Hoje nem que enchova eu vou fazer
Um beijo de linguado vou robalo de você

Ser seu namorado, peixe-espada só pra ver
Tirar tua garoupa e um sargo pra valer
Pra amariscolhi você e vou te prometer
Serei o primeiro dos que camarão você

Eu quero você na minha
Minha sereia manezinha
Vou te fisgar na minha linha
Enquanto isso eu cantando
O Reggae da Tainha

Elagosta muito é de aparecer
Para aquele polvo que trabalha na TV
Mas uma cavala assim como você
Eu não dou de badejo pra ninguém que aparecer

Não penso em ostra coisa que não seja você
Até arraia o dia eu quero te ter
Mas se ta tu irada não fique assim mais não
Pois foi de cara peva que eu fiz essa cação

Eu quero você na minha
Minha sereia manezinha
Vou te fisgar na minha linha
Enquanto isso eu cantando
O Reggae da Tainha

“Sereia manezinha” foi gravada no estúdio Jardim Elétriko, em Florianópolis, com produção de Gazu (Dazaranha) e participação dos músicos Ulysses Dutra (guitarra e backing vocal), Luiz Maia (baixo e engenharia de som) e Guilherme Ledoux (bateria), os três da banda Coletivo Operante.

Eu peço, tu pedes, eles pedem...

Eu compartilho inspirações...
se por acaso você, se inspirada com o que encontra por aqui, eu fico feliz
mas por favor, não, não faça cópias
este é o meu ganha pão!
crie o seu, tenho certeza de que você saberá como fazer...
inspire-se na natureza, em ti mesma
nas histórias que o mundo conta
nas tuas fantasias
Mas se você ainda assim, quiser levar minha idéia com você
seja delicada, leve-a com carinho, credite a idéia, a inspiração!
tenho aprendido muito neste mundo virtual, aprendi principalmente que a gente pode ser mais sutil mais delicado, é possível sim.

abraços,

Senhora ao Sul
criações: Véia da Teia

travesseirinho contador de história...



Mãe, o que é que é o mar, Mãe?"
Mar era longe, muito longe dali, espécie duma lagoa enorme, um mundo d´água sem fim
Mãe mesma nunca tinha avistado o mar, suspirava.
"Pois, Mãe, então mar é o que a gente tem saudade?"


guimarães rosa.