as vezes chuvas e trovoadas e assim, vou temperando a dualidade do meu ser
tenho vontade de sentar-me calmamente numa cadeira de balanço na superfície azul do globo terrestre e fazer um contínuo imenso bordado de tantas emoções vividas...
tudo passa, tudo passará...
faz mal pedir ao mundo que seja justo comigo, com eles, elas
é de sua natureza ser imparcial
aceitar as pequenas mortes em vida é um preparo para a morte maior
e me pergunto,
se morro com consciência,
morro?
hei de contar com perturbações
mas não esqueço que a vida também traz momentos tranquilos e claros

2 comentários:

Vanessa Maurer disse...

É importante conseguir enchergar o bem no meio do caos... claro que há o lado feio e ruim de qualquer desgraça mas, como tudo na vida é dualidade, é necessário saber manter a paz de espírito e obter forças para seguir o caminho...

Monica Loureiro disse...

Acordei de madrugada, pois estava me sentindo triste, triste mesmo , como há muito tempo eu não me sentia....
Acho que estas histórias de Sta Catarina( e Vila Velha, nossa cidade ) parece que agora mexeram comigo de uma forma, que "preciso deixar as lágrimas caírem"...Segurei enquanto pude, mas agora preciso chorar....