danoninho de potão



Foi só eu chegar em casa e tirar o potão da sacola que os dois xeretas me atacaram, um com esse olhar pidão o outro com essa mão imensa, saí pra lá! é meu!

eu ando comendo...

pizza no sábado
arroz e lentilha no domingo e uma omelete de josefina.
segunda, arroz com limão
purê de abóbora, com carne seca, couve e queijo.
idem na terça, mas sem a couve.
quarta foi salada de rúcula e alface temperada com mostrada de curry, gengibre, shoyu e azeite, bife, arroz e feijão branco.
amanhã quero fazer um bife de panela, com cenoura, pimentão,e um pedaçinhos de bacon, arroz integral, feijão branco e a mesma salada da terça.
ainda pra essa semana rola, um penne ao pesto, bem verdinho e alhudo! hummmmmm.
ah, fiz pão integral que comi uma fatia todos os dia pela manhã com leite em pó e café bem forte.
 
eu perguta à ele: i ai pai, tão bão? 
ele respondia: tô pra morrer! 
e a gente morria de rir juntos, humor negro ou seja lá o que for, só sei eu ainda dou boas risadas quando lembro disso.
Outra coisa que ela falava: o fulano de tal fechou o paletó, ou foi dessa pra melhor, ou ainda e pior, já foi tarde! 
Ele podia falar assim dum amigo, um parente ou um irmão, e eu ria, ria muito, dessas bobagens, dessas piadas que ele dizia, sem ofender, sem querer magoar. Difícil é quando eu deixo uma dessas asneiras escapar e ninguém te entende, e ter que explicar é um saco.

Viagem pra São Paulo: peguei gripe, troquei fralda, levei guri no Mc, fui na vinte e cinco de março, andei de metro.

Tomei uma bomba pra gripe melhorar, mas ela "invés" de sair entrou, tô intupida!
garganta arranhada por um gato, o corpo dolorido, surrado, aquela sensação de quem escalou uma montanha no final de semana sem nenhum preparo físico sabe? daí que na segunda tem que sair da cama 6 horas da manhã, e batata da perna dói muito, o quadril solto na carne, a mão dói, o cabelo dói!
Eu queria ficar na cama tomando chocolate quente e comendo tostines salgada com requeijão.

hoje eu tô com aquela sensação de que "esqueci algo"e sei lá o que....
a chave na porta pelo lado de fora, a chama do fogão acesa, uma hora marcada com alguém em algum lugar, o aniversário de uma amiga, ou será que simplesmente esqueci uma escova de dentes na casa de alguém?
Seja lá o que for está me cutucando, empurrando minha memória pra outros tempos, para cheiros que me lembram algo ou alguém.

...

Daí que me vem a mente algumas imagens de meu pai. Quando eu dizia a ele:
- Pai, vou fazer as unhas.
ele respondia:
- Mas passa um verniz claro.
é, ele dizia coisas assim....
...passa graxa no pão...
...passa verniz na unha...
...num deixa essas palhetas no chão gelado! ( palhetas= pés)
ele comia melancia de colher,
chupava osso buco
fazia vitaminas de frutas no liquidificador como ninguém, era eu chegar da rua e ele dizia:
- experimenta essa!

E eu? ainda com essa sensação de túnel do tempo, de algo importante que não devia esquecer...


Vendo Tear da Arte Viva

Foto do site Arte Viva


Estou passando meu tear de pedal pra frente!
Características:
Modelo: Tear Serrano
Fabricante: Arte Viva conheça o site
Tear de 120 cm 2 quadros
Acessórios:
Caixa de Tensão
Gaiola para novelos
Pescador
navetes deslizantes
Este tear talvez precise de revisão nos liços e pente
O valor de um tear novo como esse é de R$ 1.732,00 - só o Tear. Consulta feita no site do fabricante.
Estou oferecendo o meu por R$ 800,00 com todos os acessórios!
quem tiver interesse: veiadateia@gmail.com.

dia do silêncio


é só imaginar que você está passando o dia dentro do Mosteiro de São Bento, ou numa Tekkia, ou ainda num templo budista, ou sozinha na praia, ou ainda em completo silêncio mesmo rodeada de muitas pessoas, já provou o sabor disso? a mim parece que estamos em outra dimensão, ficamos assistinto a tagarelice alheia, os olhares duros, os cúmplices, os sorrisos...
Qualquer ruído se faz desnecessário.
Silêncio não é solidão, é recolhimento, é presença de si! e uma pausa no tempo, na máquina de produzir pensamentos, é uma calma descontraida, necessária.

tricotando ao sul























- Quem é? 
- é o frio!
...
e a gente põe meia de lã, faz chocolate quente, faz cachecol no tear, mãnta quentinha nos joelhos, cadeira confortável, tv ligada com som baixinho, que é pra não errar os pontos... dois meias, dois tricos, três pontos meias juntos pegando por trás e assim com muita paciência ( no meu caso muitíssima) a gente consegue terminar o casaco que começou já nem se sabe mais quando, e antes que aqueles novelos de lã se transformem em alguma peça no tear, resolvo encarar o desafio e tricotar o tão esperado casaco pro Véio.
E não é que deu certo? ficou muito bom, superou as minhas expectativas e as minhas duas mãos esquerdas para o tricot resolveram se comportar e pronto.
Só quem trabalha a muitos anos com tear deve imaginar a dificuldade que tenho, no tear uma frente de um casaco se trama em 1 dia, menos até, enquanto no tricot é ponto por ponto e dias e dias...
Mas tudo bem, exercitei a paciência e a manualidade e valeu a pena, do fio escolhido ao acabamento do casaco foi tudo divertido.