fora normose!!!!!!

Gostei muito desse texto.... acho que todos nós temos um pouco dessa síndrome! Xô Normose!!!!

A patologia da normalidade.

O normótico, ou se preferir, o entediado anônimo é vítima de um estado de conflito interior prolongado. Na tentativa de anestesiar a dor resultante desse conflito interior, das esperanças frustradas e dos sonhos abortados, injeta "novocaína" - o anestésico do novo - em muitos aspectos da sua personalidade. Ele não sente nada de maneira vívida: nem alegria, nem tristeza, nem esperança, nem desespero. As coisas acontecem, mas ele não as registra pois é preciso muita coragem para se permitir sentir. É alguém que vive num eterno confinamento solitário causado por suas crenças disfuncionais; alguém que se trancou numa rotina solitária e engoliu a chave. Alguém que vive uma vida unilateral e morre em estado imperfeito.
continue a ler no site...
http://www.cuidardoser.com.br/para-alem-da-normose.htm

sexta-feira



Na hora em que estava fazendo esse ranguinho deu saudades da família, das irmãs, das amigas de Sampa, dos enteados, dos sobrinhos, das amigas que estão longe, deu saudades daquela "coisa de comadre" do irmão, do cunhado, da cunhada que vem fila bóia, da vizinha/amiga que passou e sentiu o cheiro e entrou só pra espiar, deu aquela nostalgia....aquela saudade de casa....
Deu saudade dessas coisas boas de um cotidiano tranquilo e de família por perto.

Caldeira de peixe


Filé de peixe (congrio rosa,pescada, cação, espada ou outro peixe disponível)
Batatas cortadas em rodelas (1/2 cm de espesssura)
cebolas cortadas em rodelas (1/2 cm de espessura)
pimentões (verde e vermelho) cortado em rodelas
tomates cortados em rodelas
sal
limão
azeite
1 vidro de leite de coco pequeno
tempero verde (salsa/cebolinha, ou o que vc. curtir)

obs. a quantidade dos ingredientes vai depender do tamanho da panela.

Modo de fazer:

Montar em uma panela, untade de azeite, os legumes e o peixe em camadas da seguinte forma:
1. cebola
2. tomate
3. pimentão
4. batata
5. peixe

em cada camada, temperar com azeite, limão e temperos verdes.
repetir novamente a sequência e por último uma camada de batata.
qdo a batata estiver quase cozida, acrescentar o leite de coco e deixe cozinhar mais uns minutos até que a batata esteja completamente cozida.
salpicar com temperos verdes e servir na panela mesmo
obs. Não mexa os ingredientes na panela.

As vezes solta muita água, é só retirar um pouco com uma colher, mas o legal é deixar lá "se fazendo"...
para completar eu fiz uma farofa.... coloco o azeite de dendê na frigideira de ferro e qdo tiver quente junto a farofa de mandioca e sal, e vou mexendo até a farofa mudar de cor, qdo sinto que ela começa a querer queimar, tiro do fogo, continuo mexendo para não queimar, qdo tenho o azeite de dendê fica bem bom, a cor o cheiro, mas quando não tenho uso óleo de canola o importante é fritar a farinha bastante, ela sai úmida mas crocante.

ah... brindei com caipirinha... à todos nós, saúde e alegria!

o tempo muda

Não é que chuva chega assim do nada e desaba! não...se a gente estiver atenta...dade se proteger, se aconchegar...
...dá pra espia pelos bichos o tempo mudando, sentir o cheiro da chuva, sentir no vento que muda, vai se apercebendo se é chuva forte, uma chuva que faz estragos, ou se é uma chuva fina que vai durar um tempão, até que encharque tudo, se é chuva que destelha... se é chuvinha...passa logo mas molha do mesmo jeito.
E com as minhas emoções também num é diferente, as coisas vão acontecendo de pequeno...um jeito de olhar ali, um copo que escorrega da mão, um suspiro de impaciência, uma palavra mais arranhada e pronto...mudou!
Mas se eu tô bem atenta e já me conheço, vou me protegendo, vou me apegando com o divino, vou percebendo meus estados...tiro um tempo só pra mim, medito...mudo o tom da voz, vou amansando...aprendi na vida, que só dói qdo a gente quer que doa! qdo a gente usa personagens, qdo a gente disfarça muita o rancor, qdo a gente engole muitos sapos, qdo a gente num quer vê! ai pronto tá feito o estrago, e num dá tempo de fechar a janela, tirar a roupa do varal não, gente vai tropeçando em tudo e todos! vai levando os problemas por onde passa e distribui com todos, vai se isolando e achando a vida um saco! mas como tudo é perfeito a gente pecebe logo que tudo isso passa como a chuva...
Que bom que é poder senhorar pela vida,os gestos vão ficando mais claros, a cabeça mais leve, ai pode vir o que vier! a gente até dança na chuva se der! e quando não dá a gente simplismente se recolhe.

bonequiando



No blog da Patrícia

primavera...


Ela vem de longe, lavando as flores, vem com o vento que vem do sul, limpando a areia, varrendo a casa, desmanchando o cabelo, que hoje está sem grampos, sapos e pássaros felizes.
Não vi flores hoje, apenas a teia na janela a casa pequena aconchegante cheirando a laranja e a canela.